Uma imagem vale mais do que 1000 palavras

"Dicionando"

Avondo: já chega
Bêços: lábios
Bicha: víbora
Travia: refeição intragável
Tronga: mulher sem merecimento
Ventas: nariz
Visita: período menstrual

Trava-Línguas

Tenho uma saia birlada
chirlada, de galhopa talhada
Disse ao galhopo talhador
Que a birlasse
Que a chirlasse
Que eu pagaria a birladura
chirladura, de galhopa talhadura

Alcunhas

Badalhoca
Bate-Solas
Ti Tó do Nó
Toino do Forno
Tonico Malacuco
Zé Cutelo
Zé Guisado

Lenga-Lengas

O trigo disse pr`ó centeio:
- Cala-te lá centeio, centeiaço.
Que tu não fazes.
Que tu não fazes.
As funções que eu faço.

O centeio disse pr`ó trigo:
- Cala-te lá trigo espademudo.
Que tu não acodes.
Que tu não acodes.
Ao que eu acudo.
Então a aveia disse:
- Eu sou a aveia magra e feia,
quem me tiver em casa,
não vai para a cama sem ceia!

Expressões

Andas feito num cão sem dono!
Refere-se a alguém que anda muito tempo fora de casa ou à deriva.
Parece um burro capado!
Refere-se a alguém que não tem cócegas.
Está gordo que nem um chouriço!
Refere-se a alguém bem nutrido.
Está com brandura.
Diz-se quando a criança está com febre.
Não tem talho nem maravalho!
Refere-se a algo sem jeito, imperfeito, mal organizado.

Estórias

O Laró

Laró tinha ido ao pôço e quando vinha a caminho, começou a fazer uma grande trovoada.
Chega a casa com o lado esquerdo molhado e o lado direito enxuto. A mulher perguntou-lhe como é que isso aconteceu, e ele diz-lhe que numa parte da estrada chovia e na outra parte não chovia.
A mulher disse-lhe porque é que ele não passou para o outro lado, ao que ele respondeu que tentou, mas assim que passou para o outro lado, deixou de chover no lado que chovia e começou a chover no lado que não chovia.

domingo, 24 de fevereiro de 2008

E...MAIS CONTOS

Um velhote que vivia num monte, deixava o burro sempre preso à porta do monte. Passa lá um amigo dele e disse-lhe:
- Ti, Zé, não deixe o burro aí fora de noite, que andam aí uns lobos, comem-lhe o burro.
O Ti Zé respondeu-lhe:
- O meu burro não tem medo de lobo nenhum.
No outro dia de manhã, quando se levantou, só lá estavam as ferraduras e o Ti Zé diz:
- Ó Maria, não me digas que o nosso burro se descalçou para ir atrás dos lobos!

5 comentários:

António Graça disse...

Cuidado com os burros sem ferraduras. Ou andam atrás dos lobos ou andam preparando alguma...

Aeirmestrado disse...

È importante este tipo de divulgação do património oral. O vosso blogue pretende reavivar as memórias que estavam esquecidas e não deixá-las perdê-las no tempo.
Existe tanta riqueza que por muitos ainda é desconhecida.


Anabela

Simplesmente Professor disse...

Eu não sei se faço "cagulo", uma vez que não sei o significado da palavra. Hei-de ir ver ao dicionário. O pior é se ele não me dá a resposta e eu...

sofia disse...

Este blog vai permitir que os termos alentejanos não fiquem esquecidos. Ou seja, a elaboração deste blog é uma mais valia.

Cristina

fernando disse...

Cagulo ou alto cagulo, significa que a vasilha está cheia ou a deitar para fora. As palavras tal como tudo o resto: morrem umas nascem outras...foi assim que o Relojoeiro colocou as "peças".